Cherry @ 16:27

Qui, 01/07/10

Adoro os inícios de um mês.

Adoro o número 1. É sinal de começo, de início, de renovação, de retrospecçao.

 

      Nestes últimos dias aconteceu tanto. O mês que passou foi um mês de alegrias, de stress, de ansiedade, de surpresas e de novidade.

      Mas nestes últimos dias, Elisa, aconteceu tanto que eu até me perco.

      Primeiro foram uns dias super stressantes a pensar no final da faculdade, com exames e trabalhos à mistura.

      Depois em relação ao meu astronauta, enfim! Ele veio com uma mensagem de desculpa, entretanto acabou com a ex-namorada, começámos a falar e penso que ficámos amigos. Está com uma nova rapariga agora (não sabe estar sozinho) e contou-me. Contou-me como fazem os amigos, sabes? Nessa conversa falámos, também, de nós como senão tivesse sido nada de importante e doeu um bocadinho. Doeu porque eu dei um ar de importante, dei um ar de que para mim também não tinha valido de nada. Passados uns três dias dessa tal conversa, voltei a encontrá-lo ontem, como está no post anterior, e lá estava ele com a sua nova aquisição. Virou-me a cara e deu-me vontade de lhe berrar no meio da rua.

      Entretanto falei com a R., a ex-namorada dele, e ele passou-se. Não devia estar à espera e sinceramente nem eu estava.

      Agora tudo contado resume-se a pouco, resume-se a isto, num curto de espaço de tempo voltei a confiar e a desconfiar. Pensei que nunca o tinha deixado de conhecer e hoje já duvido outra vez. Sinceramente já não sei, mesmo.

      Mas é que nem vou matar a minha cabeça com isto. Estou de férias e isso era o que mais desejava.

 

(Falta-te contar a nossa história mas agora eu só quero esta história meia longe de mim,

e recuperá-la não me iria fazer bem.

Não agora, pelo menos tão cedo.)

 Fizeste falta por aqui, Elisa.

Beijnho, e um obrigado especial.




Lisa @ 00:47

Sex, 02/07/10

 

Sabes que não tens de dizer palavras como um obrigado, não tens de agradecer, como nunca terás. O melhor agradecimento que podes fazer é este. ´É permanecer, em palavras escritas e trocadas, em palavras de desabafos, em palavras que fizeram nos chegar até aqui. Sim é pouco tempo, mas no meu sentir e ver, criou-se uma simpatia forte, uma ligação sem forma de explicar. Porque acho que somos a força da escrita, somos a força de uma e da outra. E sem dúvidas alguma, deste me ainda mais prazer em permanecer neste blog.

à 2 anos, eu senti mesmo, vontade de mudar, por ser o meu dia de aniversario. Tinha tanto desejo, que acho que acabei por não mudar/recomeçar nada. E este ano, em que não pensei em nada, em que simplesmente, em mim, já tinham ocorrido grandes mudanças, tanto quando sofri a grande desilusão com a melhor amiga e quando senti que amava mais aquele rapaz, do que imaginava, no momento que já o tinha perdido. E parece que esta semana, na aventura que me fui meter, me tem tornando outra pessoa, a conseguir vencer o que tanto queria, a ser outra pessoa.
Por vezes quando se quer, nada se consegue.

CM, o nosso astronauta, tem uma coisa em comum. (A mais visível). É HOMEM, É RAPAZ.
Por mais que por vezes voltemos a acreditar nas lindas palavras que ele nos dizem, nada passa de fachada, nada passa de uma possível imaginação.
Ao primeiro obstáculo, é um não. Um não ao conhecimento do outro. Talvez, o contacto que criamos, por telemóvel, não seja mais nem menos, que uma ilusão de quem somos, e de quem é a outra pessoa, do outro lado da linha. Porque na verdade, não sabemos quem realmente é em casa, agarrado a um computador, ou telemóvel. Fazemos ideia, não temos certezas, pensamos apenas ter.
E tu, por mais do que ele possa ter te feito, a primeira tentativa, nós, tu, negas a razão e ouves apenas o coração. Levando-te a desilusão. O rapaz tem esse poder, de nos fazer acreditar em palavras, que até no fundo possam ser verdades, mas que aparentemente, ao vivo e a cores, não as fazem ser. São orgulhosos até demais, para correr e lutar atrás de um rapariga, que se calhar amaram sem conta.
Mas são eles, e nós voltaremos a abrir sempre uma janela, no caminho que fizemos como decisão de o deixar como passado. Não dura sempre esse caminho, até que uma janela possa ser aberta de novo. E tudo se volta atrás.
P.S: Reacções do tipo passar-se por falares com a ex, é estupidamente ridículo. Aliás, eles são-no. ( apesar de quando se ama, nunca o serem).
Desculpa só agora, mas lembrei-me que tinha teatro e só agora é que cheguei : )

k. @ 11:09

Sab, 03/07/10

 

és tu e eu .. :$


Lisa @ 02:20

Dom, 04/07/10

 

Tambem já tive o meu tempo de ausencia, volta logo que poderes, sabes disso : )
Por vezes mete-me impressão, como uma pessoa que tem dificuldade na fala, com terapia pode "curar" . Resulta em todos ou nao?
O que me falta é coragem para isto. Não sei porque, mas para ia a uma terapeuta, não há força. Não há coragem, não há mesmo :s ,
Eu propria sei que não há motivos para ter medo, mas tudo em nós é mais forte. Tenho medo, que possa sair de lá como entrei.
A minha sorte, é que pouco se nota. Só se nossa em alguns sons, e quem lida comigo várias vezes é que nota. Porque quem me conhece e me vê raramente não notam. :s

Obrigada, <3